sábado, 21 de janeiro de 2017

Crónica e Análise: FC Porto 4 –Rio Ave 2



1 – Crónica

Vitória Sofrida

Na tarde deste Sábado o FC Porto recebeu o Rio Ave, em jogo a contar para a 18ª jornada da Liga. No final do encontro verificou-se a vitória dos Dragões por 4-2.
Para este jogo Nuno Espírito Santo apostou num onze composto por Casillas; Layun, Filipe, Marcano e Alex Telles; Danilo, Herrera e Óliver; Corona, André Silva e Diogo Jota.
O FC Porto demorou a entrar em campo, o que fez com que os de Vila do Conde pudessem demonstrar que não iam ali só para defender, ainda assim, o perigo para a baliza de Casillas nunca foi eminente durante esses primeiros 15 minutos. Entretanto o FC Porto percebeu que tinha um jogo para vencer e, Corona procurou ativar o marcador, no entanto, não conseguiu colocar a bola dentro da baliza. Não aconteceu o golo nesse lance, aconteceu no minuto seguinte. Ao minuto 18, Filipe, na sequência de um livre cobrado por Alex Telles, ativou o marcador. Pouco depois, minuto 22, Diogo Jota ficou perto de fazer o segundo, no entanto, a bola acertou em cheio na barra da baliza adversária. Poucos minutos volvidos, Herrera, na cobrança de um livre, obrigou o guarda-redes adversário a defender. Só que ao minuto 35, numa fase do jogo em que o perigo rondava a baliza contrária, Casillas não conseguiu segurar a bola e o Rio Ave chegou ao empate.
Logo no início do segundo tempo, minuto 49, Layun fez falta no interior da área, grande penalidade assinalada e os vila-condenses em vantagem no marcador. Balde de água fria nas bancadas, a gelar ainda mais a tarde. O FC Porto foi à procura de dar a volta ao resultado e o empate voltou a surgir da cabeça de um defesa. Ao minuto 55, marcano, na sequência de um livre novamente cobrado por Alex Telles, devolveu a igualdade no marcador. Menos de 10 minutos depois, minuto 62,, Danilo deu a melhor sequência a um canto, cobrado por Alex Teles, e colocou novamente o FC Porto na frente do marcador. André André ficou perto de fazer o 4-2, mas viu o guarda-redes adversário negar-lhe os festejos. O 4º golo não chegou nesse momento, mas não tardou. Ao minuto 88,, Rui Pedro fez o 4º golo da tarde, colocando um ponto final na discussão do resultado.
Com esta vitória o FC Porto soma 41 pontos, posicionando-se a 1 ponto da liderança do campeonato, num momento em que o Benfica tem menos um jogo.

2 – Análise

Não se esperavam facilidades e, de facto, não as houve. O Rio Ave não colocou o autocarro permanentemente estacionado a frente da baliza, mas sim procurou jogar de igual para igual. Algo que, aliás, já era espetável. Para além disso, Luís Castro, que esteve 10 anos ao serviço do FC Porto, conhece bem os cantos à casa e, sobretudo, alguns protagonistas, o que possivelmente, acrescentou mais dificuldade ao encontro. Os Dragões não fizeram uma exibição brilhante, não conseguiram dominar e controlar o jogo, mas demonstraram uma atitude positiva e querer, ao contornar as dificuldades que lhes iam saindo ao caminho, nomeadamente a desvantagem, correndo atrás do prejuízo. Felizmente hoje reinou a eficácia num jogo em que os portistas não conseguiram criar demasiadas ocasiões de golo. Foi um jogo equilibrado, com emoção - aguenta coração! - com golos e com os adeptos a empurrar a equipa para a vitória. Falta a esta equipa confiar mais em si própria; acreditar nas qualidades que tem, porque as tem, e potenciá-las mais; e ser cada vez mais constante nas suas exibições - bem sei que é sempre preferível um bom resultado com uma exibição mediana do que uma boa exibição e um resultado negativo – mas esta equipa consegue, de certeza, aliar esses dois fatores e manter os níveis exibicionais mais elevados.
Em suma, o FC Porto somou os três pontos num jogo difícil que era importante vencer.
Vamos Porto!


António Folha em Antevisão da 23ª Jornada da II Liga



Aqui está a antevisão de António Folha do jogo da 23ª jornada da II Liga, frente ao Académico de Viseu.

“FOLHA QUER QUE A EQUIPA “LUTE ATÉ À EXAUSTÃO PELOS TRÊS PONTOS”
Treinador perspetivou a deslocação do FC Porto B a Viseu para defrontar o Académico (domingo, 11h15)
A 23.ª jornada da Ledman LigaPro vai levar o FC Porto B até Viseu, onde vai medir forças com o Académico local, este domingo, às 11h15 (SportTV1). Na antevisão daquele que será o terceiro encontro como treinador dos “bês” portistas, António Folha alertou para as dificuldades que esperam os Dragões e quer ver a equipa a dar “sequência ao trabalho” que tem sido feito, “com muita alegria e muito empenho”. Os azuis e brancos seguem na 12.ª posição, com 28 pontos, enquanto o Académico de Viseu é 19.º classificado, com 23.
Adversário motivado
“Vamos defrontar uma equipa que ainda não perdeu desde que trocou de treinador, que está motivada e que vai fazer tudo para nos vencer. Cabe-nos continuar a dar sequência ao trabalho que temos feito, algo que conseguimos mais no segundo jogo do que no primeiro desde que assumi o comando técnico. É isso que espero da equipa, que mantenha a qualidade e que lute até à exaustão pelos três pontos.”
Manter a qualidade e ser mais eficaz
“Nunca há jogos muito parecidos e espero essencialmente que a equipa mantenha a qualidade que demonstrou no último jogo, sobretudo na segunda parte, mas que seja mais eficaz. A eficácia é muito importante nestes jogos e faz toda a diferença no final. A equipa está bem, motivada, e tem treinado com muita alegria e muito empenho. Mantendo esse espírito, acredito que podemos ganhar.”
Fora como em casa
“Isso de jogar fora ou em casa vale o que vale. Compete-me a mim e aos jogadores mostrar competência, rigor e determinação, seja em que campo for.””

Em




sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Antevisão da 18ª Jornada da Liga



1 – Aqui está a antevisão de Nuno Espírito Santo do jogo da 18ª jornada da Liga, frente ao Rio Ave.

“NUNO OLHA PARA O “TOPO DA TABELA” E QUER “REDUZIR A DISTÂNCIA”
Treinador fez antevisão da receção ao Rio Ave (sábado, 16h00), em que Luís Castro está a fazer “um belíssimo trabalho”
Para Nuno Espírito Santo, conquistar os três pontos em cada jogo casa tem uma “importância transcendental” na luta pelo título nacional. Na conferência de imprensa de antevisão da receção ao Rio Ave (sábado, 16h00, para a 18.ª jornada da Liga NOS, a primeira da segunda volta), o treinador afirmou que “reduzir a distância” de quatro pontos para o líder Benfica é uma “obrigação” e o “grande desejo” do plantel, que não desvaloriza os restantes rivais mas olha diretamente para o “topo da tabela”. A utilização de Layún, Otávio e Maxi está em aberto, revelou o técnico, que se escusou a falar sobre o mercado de transferências.
Conhecimento mútuo
“Hoje em dia todos as equipas se conhecem bastante bem. Para além das observações no local, há muitas ferramentas para ter um conhecimento bastante profundo das equipas. É difícil quando trabalhamos bastante tempo num clube e mudamos, como o Luís Castro, que está a fazer um belíssimo trabalho no Rio Ave. No sábado esperamos um jogo difícil, mas acima de tudo um FC Porto capaz de vencer, em frente aos nossos adeptos, na nossa fortaleza, para somar três pontos e encurtar distâncias, nesta luta que vai ser até ao fim pelo objetivo final.”
Rumores de mercado
“Tudo o que são rumores de mercado não comentamos nem pensamos nisso, porque a nossa preocupação está no que é o dia a dia. Concentramo-nos nos jogadores que estão connosco, que são do FC Porto, que queremos que estejam preparados para um projeto ganhador e para vencer. Importante é quem está cá.”
Ganhar em casa
“Tem uma importância transcendental. Queremos que o Dragão continue a ser a nossa fortaleza e temos consciência de que nesta primeira volta só perdemos por uma vez pontos em casa, num jogo que deveríamos ter vencido. Os três pontos no Dragão são preponderantes para nós e, juntamente com isso, queremos melhorar a nossa produção fora de casa. Fazendo uma análise da primeira volta, conseguimos alguns objetivos, estamos neles, mas também falhámos outros. Tem de ser feita uma análise e uma reflexão diária, um trabalho que nos identifique com o que queremos: um projeto ganhador, capaz de lutar até ao fim pelo título e o balanço total será feito no final. Dia a dia queremos estar mais capacitados e capazes de quebrar o ciclo em que está o clube. Isso é que é fundamental.”
Layún, Otávio e Maxi
“O Layún e o Otávio integraram o trabalho esta semana, estão totalmente ao dispor da equipa técnica, têm alta. O Maxi saiu do último jogo com um pequeno problema, tem feito treino condicionado e não está de parte a sua utilização. Vamos ponderar o que será melhor para a equipa.”
Pressão na luta pelo título
“Espero é que sábado consigamos os três pontos. Logicamente que será importante quando o nosso rival, líder, jogue com um só ponto de vantagem, mas o mais importante é cumprirmos com os nossos jogos, sermos mais constantes a nível exibicional e de conquista de pontos. Não estamos na posição em que desejamos estar, queremos estar no topo da tabela. Não desvalorizamos os rivais que vêm atras de nós, é para onde queremos estar que olhamos e se pudermos reduzir a distância é essa a nossa obrigação e o grande desejo. A pressão está do nosso lado, pretendemos é chegar ao topo.”
Balanço da época
“Temos de ser melhores, crescer mais, ser cada vez mais capazes de construir uma equipa que dignifique o FC Porto. Temos de ser capazes de ganhar todos os jogos, competir ao máximo das nossas forças e fazer com que os jogadores evoluam. Sabemos que somos uma equipa jovem, penalizada demasiadas vezes pela falta de eficácia na finalização, mas também uma temos uma defesa que é das melhores da Europa, sólida, que não permite oportunidades aos rivais. Temos de ser mais regulares noutros aspetos, um deles é a finalização. O que a mim como treinador me satisfaz é que conseguimos produzir bastantes oportunidades. Em resumo: temos de continuar a solidificar o que fazemos bem e melhorar bastante e regularizar o nosso processo ofensivo.””

Em

2 – O meu palpite para a equipa titular é:

Casillas; Maxi/Layun, Filipe, Marcano e Alex Telles; Danilo, Herrera/André André e Óliver; Corona, André Silva e Diogo Jota


3 – Sobre o jogo
Não se espera um jogo fácil, até porque Luís Castro conhece bem a casa…, mas espera-se que os comandados de Nuno transformem as dificuldades em facilidades. Para tal espera-se um FC Porto competente; confiante; coeso; concentrado; rigoroso; determinado; sólido; solidário; unido; ambicioso; empenhado; motivado; e eficaz tanto a defender como a atacar.
Força FC Porto!